Tática Ocupacional: Meu Corpo, Minha Terra (2011)

Tática Ocupacional (2011) Cavar um buraco para enterrar uma pernaPesar toda a terra que foi tirada para colocar a pernaPesar a terraTrocar simbolicamente o peso da perna com o peso da terra. Ser a terra: Meu corpo, minha terra. Adquirir simbolicamente a terra. Cerco a terra: minifúndio corporal. O processo foi repetido para os quatro membros:Pernas direita e esquerda; braços direito e esquerdo. A ação durou 7 horas: cavar 4 buracos, enterrar, pesar, cercar.

I dig a hole to put my legs and my arms. I weigh all the earth that was taken to put each of my legs and arms in these holes. I measured the weight of  earth and change symbolically the weight of the earth with the weight of my body. I become the land: I take ownership of our exchange of wights (my body, my earth). I change the weight of the earth with the weight of the leg and so on. P Be the earth: My body, my earth. I symbolically acquire the earth. I make a fence around this territory: body “minifundio”. The process was repeated for the four limbs: right and left legs; Right and left arms. The action was performed in 7 hours: dig 4 holes, bury, weigh, surround the space.

Perecível (2007)

Perishable (Perecível) is work-reaction  against the patterns of corporal representation imperatively dictated to the subjects of the same face and the same gestures. In this context the body acquires the status of commodity and the production of the identity of each one is constituted via mercantilization of the body. Materials: Meat and box. * This project occurred in two ways: indoors, with projections of images and also as urban intervention.

Perecível é obra-reação, contra os padrões de representação corporal imperativamente ditados aos sujeitos de mesma face e mesmos gestos. Nesse contexto o corpo adquire o status de mercadoria e a produção da identidade de cada um é constituída via mercantilização do corpo. Torna-se gritante os padrões de corporalidade imperativamente ditados, corpos se alinham e se alienam ao modelo vigente. A subjetividade é esvaziada pelos consumidores ávidos por seus corpos narcíseos. Após a catequese é tempo de desnudar a carne. O corpo não se oculta, os tempos são de culto ao corpo. O desejo é direcionado para o consumo de objetos feitichizados pela cultura de massa. A carne não se desnuda por ser livre, se desnuda para vestir o condicionamento impregnado pela ética do capital. O corpo, destituído de sua singularidade, é massificado na mortalidade entre os que famintamente morrem de fome ou de anorexia, tráfico de órgãos, prostituição infantil, lipoaspiração e silicone. Em Perecível aclama-se o corpo-sujeito a partir da exibição de um corpo-objeto em feira pública. * Este projeto ocorreu em dois modos: em espaços fechados, com projeções de imagens e também como intervenção urbana.

 

Táticas de Corpo (2010)

Nesta performance, batons vermelhos obstruem a boca. O batom vermelha que obstrui a boca e ao mesmo tempo instaura um rosto monstruoso. O batom, artefato usualmente ligado à beleza da mulher, é usado para compor uma face monstruosa, é usado como um pincel e escreve, grita, clama, por outras táticas e outros corpos que reduzem a imagem da mulher à sua imagem de beleza. Escreve-se no corpo de um homem: Quais táticas e instruções para fazer uma mulher?

Esta performance foi desenvolvida em 2 semanas de residência artística no programa Colaboratório do Panorama de Artes (curadoria de Eduardo Bonito). Apresentada posteriormente no evento Performance, Política, Corpo e Tecnologia (Brasilia,  2011)

In this performance, red lipsticks clog the mouth. The red lipstick obstructs the mouth and at the same time establishes a monstrous face. Lipstick, an artifact usually attached to a woman’s beauty, is used to make up a monstrous face, is used as a brush and writes, screams and  claim for other tactics and other bodies that reduce the superficial image of the woman as a image of beauty. It is written in a man’s body: What tactics and instructions to make a woman?

LatinaResIntensa (2017)

 

Performance realizada  no Memorial dos Povos Indígenas, durante a Semana Brasil Dinamarca (2017). Trata-se de uma performance realizada durante 15 dias de residência artística no Memorial dos Povos Indígenas (Brasilia, DF | Brasil). Materiais: urucum, manto, folhas de guiné, pena de arara azul- vídeo|performance).

This project  was performed at the Memorial of the Indigenous Peoples during the Brazil Denmark Week (2017). It is a performance developed in 15 days os an artistic residence at the Memorial of the Indigenous Peoples (Brasilia, DF | Brazil).  Materials: urucum (a special seed use by indigenous to paint the body, clothes and objects), mantle, leaves of guinea, pen of blue bird from Brazil.

 

Deserta (2014)

Vestindo uma abaya de 10 metros, caminho no deserto entre a
Arábia Saudita e o Qatar. Estou no Golfo Pérsico em ode à resistência
das mulheres árabes. Uma performance para elas, que empoderadas não se
calam, frente às ações que tentam operar sua invisibilidade.

Link para videoperformance: https://vimeo.com/112612807

A video art tribute to the woman’s strength and expression in the arabic culture. There is clearly a debate about a womans body and the history of visibility and invisibility. This is a poetic and powerful video about the woman resistance.
In “Deserta”, a Abaya with 10 meters is a metaphor in relation to the woman conquering the desert, the symbol of the Arabic landscape. The power of the woman, expanding your presence at the desert, the society and the Arabic culture.

Ovun, 2013/2007

ovúnOK ovun pdf testeIMG_4282DSC01557

This project was developed in 2 weeks artistic residence in Venice/
Italy at C32 PerformanceArtWorkSpace on July/2013. The concept
is the same from Ovun on 2007, the relation between body and time,
but also a surrealist inspiration on Magritte. In this residence I created differents works, with focus on video, performance and dance. The works are: 1. Dance for eggs: a serie of videodance project on a egg. I did a videomapping for this. 2. Ovun a videoperformance: videoperformance 15 minuts 3. Ovun for stage: A dance/performance mixed media with the eggs umbrellas and the driping eggs at the floor and the relation with the video at the screen.

Corpo em Obra

© Erivan Morais© Erivan Morais© Erivan Morais© Erivan Morais© Erivan Morais© Erivan Morais © Erivan Morais © Erivan Morais © Erivan Morais © Erivan Morais © Erivan MoraisCorpo em Obra

Corpo em Obra ou Körperarbeit em deutsch , foi inicialmente criada em Berlim (Alemanha) durante residência coreográfica de Julho a Outubro de 2012. A obra Reivindica a memória através de duas abordagens: Uma a partir da materialidade do carvão e outra a partir da (i)materialidade da imagem.

Nesta obra, a discussão sobre a memória passa pelos escritos de Henri Bergson. Na concepção deste filósofo, a memória se transforma à medida que se atualiza. Na obra, a imagem/video (tratada aqui como memória de um tempo que já decorreu) se atualiza na presença e relação com o corpo que dança. A imagem-corpo se atualiza e compõe a dança entre poros e pixels. O corpo da imagem sendo ao mesmo tempo presença de algo que sucedeu e lembrança de uma sensação que se prolonga na própria sensação do presente. Simultaneamente passado e presente. Por sua vez, a cada instante as ações do corpo presente vão se transformando em memória; sensação do presente que se metamorfoseia em lembrança. A obra traça um jogo entre memória e percepção do tempo presente. Nesse contexto, a obra dialoga com as discussões de Bergson, para o qual o estado presente é ao mesmo tempo uma percepção do passado imediato. Sendo o presente (ao mesmo tempo) sensação e movimento; um presente que é sensório motor.

O carvão foi escolhido como materialidade-símbolo da memória do fogo, sendo também um dos primeiros dispositivos de registro e, logo, memória. Em Corpo em Obra é utilizado como dispositivo poético de registro, memória, traço, rastro, resquício. Mas, esta escolha também envolve questões autobiográficas, pois “quando eu tinha 7 anos de idade eu entrei numa fogueira de São João, era o final de uma fogueira, essa foi a minha primeira performance” (Ferreira, auto-citação).

Fotos tiradas na apresentação em 27/05/2013 no Teatro Goethe (Salvador, BA). Fotos: Erivan Morais.

InTransInto 2006

1. foto Lucas Bah - Cópia2.foto Lucas BahFrame. camera lucas solinas2 foto tiago ribeiro

Composto por um corpo suspenso, entre 6-8 metros de altura. Preso numa parede onde se projetam as imagens .

IntransInto discute la relación entre el hombre contemporáneo y la ciudad. Es interviniendo en los espacios públicos de la ciudad que la propuesta si referí a las cuestiones urbanas.

Con los pasos diarios el ciudadano transcribe los rastros y líneas de los mapas urbanos. De tal manera el transeúnte si reapropia del espacio urbano y moldea su propia existencia.

Cada paso de forma cuantitativa representa una singularidad, una subjetividad, un ciudadano, una apropiación cinética y cenestésica del espacio urbano. Por esta razón, el motricidade subjetivo y particular de cada traseúnte hace con eficacia la existencia de la ciudad. Es prácticamente imposible concebir una ciudad no moldeada o no impresa por estos pasos.

De tal manera, la propuesta afirma la singularidad de cada uno individuo que compone la multiplicidad de la metrópoli anónima. En su aprecio, la intervención provoca los fruidores (el espectador) a si reconocer como ciudadanos activos, formadores y participativos de la ciudad, siendo capaces de tener una actitud crítica en relación a la ciudad e a su propia existencia.

Vulto

267632_2254171156720_245705_n264542_2254171516729_6638655_n68756_1702535366170_7524367_n262207_2254170916714_8307284_nLumines(c)sente 2Vulto

 

 

Apresentação de performance/dança no Teatro de Helsinki/Finlândia (Junho, 2011)

Presentation performance/dance Vulto in the Theatre Academy Helsinki-Finland (Teatterikorkeakoulu) June 2011.

Release em português:
A ação consiste no vulto do corpo luminoso que caminha silenciosamente a passos de uma procissão. Estou vestida com uma saia-gambiarra composta por aproximadamente 100 velas; o corpo ritualiza-se com a flama e percorre as ruas. Se o fogo opera uma transubstanciação que modifica ele mesmo e a matéria que ele queima, esse corpo também passa por uma transubstanciação; ateado, aceso, inflamado, incorporado. Duração: 40 minutos

Release english:
The body wearing a skirt composed of more than 100 white candles lit. The action begins with the figure of the luminous body that walks silently. The ritualized body with flame. The fire makes a transubstantiation that modifies itself and the material that it burns. The body also goes through transubstantiation; lighted, fired, incorporated. The state of ritual make while the body is in circular motions uninterrupted. The performance question the limits of perception, desire and sacred. Duration: 40 minutes